logo

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor.

Impacto do Covid-19 nos mercados onde existam Câmaras de Comércio Portuguesas: Luxemburgo.

Impacto do Covid-19 nos mercados onde existam Câmaras de Comércio Portuguesas: Luxemburgo.

Combinando indicadores de curto e médio prazo, a Fundação IDEA, laboratório económico da Câmara de Comércio do Luxemburgo, elaborou uma Análise Conjuntural da economia luxemburguesa, onde fornece uma visão geral das alterações na atividade económica nos principais setores do país, bem como sobre as consequências.

Antes do choque causado pelo COVID-19, a economia luxemburguesa estava em uma fase que poderia ser descrita como uma "desaceleração silenciosa", com algumas dificuldades no setor industrial e uma desaceleração no mercado de trabalho. Agora, a pandemia e medidas de confinamento certamente terão um acentuado impacto negativo na economia.

Uma primeira estimativa do PIB pelo STATEC, baseada "numa única onda" de confinamento, prevê uma recessão de cerca de 6% em 2020 e uma recuperação de 7% em 2021. Com base nessa previsão, o governo que estabeleceu um plano de estabilização de cerca de 17,5% do PIB, prevê um déficit orçamental de quase 5 mil milhões de euros em 2020.

Esta Análise Conjuntural da CCILL recai sobre 22 indicadores, distribuídos em 5 pilares: atividade económica, mercado de trabalho, situação social, finanças públicas e o ambiente económico europeu e regional.
Os indicadores de atividade económica mostram uma queda particularmente acentuada nos setores de serviços (não financeiros) e comércio. Se a construção for interrompida por várias semanas, a carteira de pedidos ficará pendente mas acabará sempre por ser fornecida. Quanto à área financeira, a queda na atividade será menos acentuada. No entanto, os ativos de fundos (UCIs) caíram acentuadamente em março (-11,1%), devido à desaceleração nos mercados financeiros, mas também devido à quebra no investimento.

Um aumento do desemprego se materializou-se em março, apesar do uso sem precedentes do trabalho de curta duração (que envolve 30% dos assalariados). A médio prazo, indicadores como o desemprego de longa duração e o uso do REVIS (NdR: rendimento de inclusão social) deverão ser monitorizados para medir os efeitos sociais desta crise.
No primeiro trimestre de 2020, o PIB da Zona Euro caiu 3,8%, uma queda histórica, como o foi a registada na França (-5,8%) ou na Bélgica (-3,9%). Para 2020, a Comissão Europeia prevê uma recessão de 7,7% na Zona Euro.
Além disso, segundo uma pesquisa realizada durante a segunda semana de Abril, 58% das empresas que responderam ao inquérito tiveram de interromper completamente a sua atividade.


Conheça o impacto em todos os setores e atividades identificados na Análise Conjuntural disponível neste link.

Aceda ainda ao documento em língua inglesa, elaborado pelo Ministério da Economia do Luxemburgo, resumindo todas as medidas tomadas até à data pelo Governo do Luxemburgo de apoio às empresas locais face à crise provocada pelo Covid-19.

Nos sites disponibilizados abaixo poderá encontrar toda a informação atualizada sobre as medidas governamentais adotadas em francês, alemão e inglês e/ou português:
https://meco.gouvernement.lu/en/dossiers/2020/coronoavirus-entreprises.html
www.covid19.lu

Para mais informações contacte a CCILL:

ccill.info@gmail.com

+352 261 235 17

Sobre o autor: a Fundação IDEA é o laboratório de ideias (think tank) criado por iniciativa da Câmara de Comércio do Luxemburgo, para conduzir estudos e reflexões a favor do desenvolvimento sustentável do Luxemburgo e do interesse económico geral do país. Autónoma e multidisciplinar, a IDEA contribui para melhorar a qualidade do debate público, alimentando-o com análises socioeconômicas e propondo formas inovadoras de enfrentar os principais desafios.